11/02/2013

Atualmente o nordeste sofre com a falta de chuva, as plantas secam, os animais morrem e o homem reza. Ele tem fé e crê que a chuva logo cairá. Ele luta contra a fome, a miséria e o abandono do governo. Ele resiste, pois ainda guarda um pouco de verde, sua esperança.

 Hoje, ao ouvir Luiz Gonzaga, vivo em todo povo nordestino, recebi mais uma das mensagens de esperança que ele passava, ou melhor, que ele passa, pois continua mais moderno que nunca seu grito e sua denúncia.

O nordeste existe! E sofre! Ajude as famílias! Economize água! Seja solidário!

      Terra, vida e esperança         Cantada por: Luiz Gonzaga  


 Estou no cansaço da vida
Estou no descanso da fé
Estou em guerra com a fome
Na mesa, fio e mulher
Ser sertanejo, senhor
É fazer do fraco forte
Carregar azar ou sorte
Comparar vida com morte
É nascer nesse sertão
A batalha está acabando
Já vejo relampear
Abro o curral da miséria
E deixo a fome passar
O que eu sinto, meu senhor
Não me queixo de ninguém
O que falta aqui é chuva
Mas eu sei que um dia vem
Vai ter tudo de fartura
Prá quem teve e hoje não tem
                           Jurandy da Feira
          Ouça a música: http://www.youtube.com/watch?v=TjTlXDOwo_U
          Pedro Hiago S. Marques - A lamparina do juízo.

04/02/2013

                                         As mina pira...

     Caro galante, acharás aqui o segredo para derreter o coração da sua fofolete!  

            Rosa
Tu és, divina e graciosa
Estátua majestosa do amor
Por Deus esculturada
E formada com ardor
Da alma da mais linda flor
De mais ativo olor
Que na vida é preferida pelo beija-flor
Se Deus me fora tão clemente
Aqui nesse ambiente de luz
Formada numa tela deslumbrante e bela
Teu coração junto ao meu lanceado
Pregado e crucificado sobre a rósea cruz
Do arfante peito seu
Tu és a forma ideal
Estátua magistral oh alma perenal
Do meu primeiro amor, sublime amor
Tu és de Deus a soberana flor
Tu és de Deus a criação
Que em todo coração sepultas um amor
O riso, a fé, a dor
Em sândalos olentes cheios de sabor
Em vozes tão dolentes como um sonho em flor
És láctea estrela
És mãe da realeza
És tudo enfim que tem de belo
Em todo resplendor da santa natureza
Perdão, se ouso confessar-te
Eu hei de sempre amar-te
Oh flor meu peito não resiste
Oh meu Deus o quanto é triste
A incerteza de um amor
Que mais me faz penar em esperar
Em conduzir-te um dia
Ao pé do altar
Jurar, aos pés do onipotente
Em preces comoventes de dor
E receber a unção da tua gratidão
Depois de remir meus desejos
Em nuvens de beijos
Hei de envolver-te até meu padecer
De todo fenecer
      Pinxinguinha

           Pedro Hiago S. Marques - O trigliceride baixo.

02/02/2013

Nos anais da cultura...

Hoje, meus caros poeteiros, mostrar-lhes-ei uma das pérolas do mestre Gregório de Matos (Boca do inferno para os íntimos), um dos primeiros grandes poetas brasileiros. Este sim gostava de sacaniar... Mais obsceno que Wando... Mais ultrajante que Rafinha Bastos... Mais pornográfico que o Kid Bengala... com vocês a arte do Boca do inferno!
 Obs: Esta poesia foi feita para insultar a tal da Maria Viegas, que pelo que entendi, tinha sérios problemas intestinais... 
       
     À Maria Viegas

Dizem que vosso cu, Cota,
assopra  zombaria,
que parece artilharia
quando vem chegando a frota:
parece que está de aposta
este cu a peidos dar,
porque jamais sem parar
este grão-cu de enche-mão
sem pederneira, ou murrão
está sempre a disparar.

De Cota o seu arcabuz
apontado sempre está,
que entre noite e dia dá
mais de quinhentos truz-truz:
não achareis muitos cus
tão prontos em peidos dar,
porque jamais sem parar
faz tão grande bateria,
que de noite, nem de dia
pode tal cu descansar.

Cota, esse vosso arcabuz
parece ser encantado,
pois sempre está carregado
disparando tantos truz:
arrenego de tais cus,
porque este foi o primeiro
cu de moça fulieiro
que tivesse tal saída
para tocar toda a vida
por fole de algum ferreiro.
                             Gregório de Matos
Fonte: http://pensamentos-negros.blogspot.com.br/2010/02/gregorio-de-matos-boca-do-inferno.html
    Pedro Hiago S. Marques - A supernova capixaba.
Queres uma palavra amiga? Uma mensagem de esperança? Algo para impressionar sua pequena? Acharás aqui!

Como dizia o poeta...

                           
                             " Amarra o teu arado a uma estrela
                               E os tempos darão
                               Safras e safras de sonhos
                               Quilos e quilos de amor. "
                               Gilberto Gil - Música: Amarra o teu arado a uma estrela.
                               Pedro Hiago S. Marques - A mula roseteira.